Ratio Studiorum

Um pouco de história da docência no Brasil – Ratio Studiorum

A educação formal no Brasil começou logo depois da chegada dos portugueses, com a vinda dos jesuítas para cá, em 1549. A ordem religiosa tinha apenas 9 anos quando os primeiros missionários aportaram em Salvador. Vieram com o objetivo declarado de ensinar a religião e a prática cristã aos índios, mas havia também objetivos econômicos e políticos: instituir o hábito do trabalho coletivo e usar os nativos convertidos contra os ataques dos não convertidos e outros inimigos externos.

Manoel da Nóbrega, o chefe da missão, logo se deparou com um problema básico: como ensinar essa turma que não falava a mesma língua que ele, não lia e nem escrevia? Assim, uma de suas primeiras ações foi começar uma “escola de ler e escrever” e ele elaborou um plano de estudos que tinha duas etapas: a primeira priorizava o ensino de português, da doutrina cristã e a alfabetização. Na segunda etapa o aluno poderia escolher entre o ensino profissionalizante e o ensino médio, de acordo com seu desempenho na primeira.

Algum tempo depois, em 1551, essa escola se transformou no Colégio Meninos de Jesus da Bahia – que ficou conhecido como a primeira instituição escolar do Brasil. O colégio atendia até 25 internos – entre órfãos, indígenas e mamelucos, além de mais alguns poucos filhos de colonos, externos.

Ratio Studiorum

No final daquele século, em 1599, foi publicado por um padre italiano, o Ratio Studiorum que viria a ser o manual educativo “oficial” dos jesuítas, adotado em todos os seus colégios. Língua, literatura, poesia, história, retórica, lógica, combinados com matemática, geografia, filosofia ciências naturais e outras disciplinas religiosas compunham um documento curricular bem organizado e detalhado. Nele também havia a orientação da metodologia, a distribuição de prêmios que deveriam ser dados aos melhores alunos, assim como os castigos. Aliás, como bons cristãos, não eram muito afeitos aos castigos corporais e preferiam estimular as boas atitudes do que punir os erros.

Embora houvesse preleções, lições memorizadas, ditados e outras atividades típicas de uma pedagogia chamada de tradicional, surpreendentemente os alunos eram ativos, professor e aluno trabalhavam juntos e havia muita colaboração entre eles. O Ratio Studiorum foi usado por mais de dois séculos em colégios e missões não só do Brasil, mas de vários lugares do mundo.

Duzentos e dez anos depois de sua chegada ao Brasil, mais de 100 mil índios cristianizados, os jesuítas foram banidos.

Por ordem do Marquês de Pombal, tivemos nossa primeira reforma educacional e os efeitos foram catastróficos pois se destruiu o único sistema educacional existente no Brasil.


Escrito por Claudia Aratangy

Fiquem ligados e não percam as próximas publicações sobre a história da docência no Brasil.

 

Fontes consultadas:

Algumas considerações sobre o Ratio Studiorum e a organização da educação nos colégios jesuíticos;

O ensino jesuítico no período colonial brasileiro: algumas discussões;

O método pedagógico dos jesuítas – o Ratio Studiorum;

Instituições escolares no Brasil Colônia e Imperial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *